quarta-feira, 13 de abril de 2011

CGADB - AGO decide não reconhecer União Estável e mantem posição sobre divórcio


Pr. Esequias Soares - AD Jundiái - SP


Convencionais regulamentam situação do “ministro divorciado”

Uma comissão especial estudou durante vários meses as questões de ministros divorciados e a união estável. O pastor Antonio Gilberto, iniciou presidindo esta comissão sendo que por motivos de saúde, foi obrigado a se afastar e em seu lugar assumiu os comandos do trabalho o pastor Esequias Soares (Jundiaí – SP) - Foto , e os pastores Everaldo Morais Silva (PB) e Ricardo Moraes de Resende.

Na leitura inicial houve 12 pronunciamentos feitos por diversos pastores e por fim, a comissão chegou a seguinte resolução.

Ficou estabelecido que a Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil não reconhece, no âmbito da vida de seus membros, a situação de União Estável.

O divórcio é reconhecido no âmbito ministerial de seus membros, nos casos de infidelidade conjugal. As Convenções Estaduais deverão esgotar todos os esforços possíveis, visando manter a união do casal. Em caso de divórcio de ministro que o pedido seja solicitado pela esposa; quando vítima de infidelidade conjugal; ou mesmo quando ele dá causa, ficará a cargo de cada convenção estudar o caso e dar o seu parecer se ele deverá ou não permanecer nas suas funções ministeriais, cabendo ainda ao ministro o direito de recurso junto a Convenção Geral.

Fonte: Blog Point Rhema

Nenhum comentário:

Postar um comentário